Trail dos Moinhos e Cruzeiros: A experiência de Ivo Fernandes

Numa manhã que tinha quase tudo para ser perfeita, onde não faltaram os trilhos espectaculares, os bons reforços com tudo o necessário e mais alguma coisa em todo e no final do percurso, a bela bifana e a cerveja no final, um ambiente espetacular entre atletas, os banhos, algo longe mas em condições, as marcações, por vezes confusas mas aceitáveis, a meia hora de atraso para o Trail longo onde os atletas permaneceram ao frio num dia como o de Domingo... Até aceitaria tudo o que de menos bom teve este trail.. Menos uma classificação, a meu ver, errada e um regulamento alterado antes do início da prova, segundo a organização e segundo o responsável pela cronometragem, na classificação por equipas.

Até aceito o facto de alterarem o regulamento, sim, pode ser alterado antes do início de uma prova, mas, tem que ser comunicado e isso não aconteceu.

Passo a explicar...

A minha equipa partiu para esta prova com um objectivo: ganhar por equipas no Trail Longo. Conhecendo os atletas e equipas adversárias, isso seria possível em condições normais. Assumindo essa estratégia desde início e controlando toda a prova com 3 atletas sempre juntos, na frente da maioria dos outros restantes atletas das equipas "premiadas", afim de ser a primeira equipa com 3 atletas na meta, foi conseguido.

O regulamento diz isto:

"Troféu (1º, 2º e 3º)
Nota: Para efeitos de classificação e pontuação no premio por equipas será considerado os 3 primeiros atletas a chegar de cada equipa sem distinção de sexo ou idade."

Confuso ou não, talvez omisso, assumimos a interpretamos que seria equipa com os três primeiros atletas a cortar a meta que ganharia o trail por equipas, tal como acontece em diversas provas de Trail, o que não se verificou. Fomos realmente a primeira equipa a ter três atletas na meta e cumprimos esse objetivo. O que não sabíamos, o que não vem descrito em lado nenhum no regulamento, foi o que nos foi comunicado no final: "o que conta para a classificação final por equipas é a soma dos tempos dos três primeiros atletas e é assim que a minha equipa de cronometragem faz em 80% dos trails porque achamos o mais correto"... E assim foi atribuído o prémio por equipas. Se concordo com isso ou não, é outra história.

Erro da organização? Erro da empresa de cronometragem? Erro nosso que não entendemos português e que deveríamos ter perguntado antes?

Não tirando o mérito às outras equipas que não têm culpa do sucedido, subir a um pódio, justa ou injustamente, quase ninguém o nega...

Fica um sabor agridoce em relação aos Moinhos e Cruzeiros de 2018...

Talvez até 2019...

Autor: Ivo Fernandes

Contacte-nos através do email: recordptrunning@gmail.com

Acompanhe todas as novidades da Liga Allianz Running by Record

Subscreva a Newsletter e receba as notícias em primeira mão