Lorène Bazolo: «As pessoas não têm ideia. Não é fácil chegar aqui, é muito trabalho»

30JUL 06h28

Quarta na sua série dos 100 metros, Lorène Bazolo falhou o apuramento para as meias-finais ao correr a distância em 11.31 segundos, um registo que não deixou a velocista portuguesa satisfeita. À RTP, em pleno Estádio Olímpico, assumiu que esperava mais, mas diz-se "grata" pela participação nos Jogos Olímpicos de Tóquio'2020.

"Senti-me muito bem. Estava calor como a velocidade gosta. Estava tudo certo. Dei o meu melhor. Esperava mais do que a marca que fiz. Esperava aproximar-me mais do meu recorde pessoal. Mas aceito, dei o meu melhor e fiz esta marca. Estou grata", afirmou a Lorène em declarações à RTP.

Aos 38 anos é a terceira presença de Lorène Bazolo nuns Jogos Olímpicos. "Da primeira vez foi só para participar porque fui convidada. Da segunda vez, foi a primeira vez que representei Portugal, foi outra sensação, era para fazer coisas boas mas infelizmente fiquei na eliminatória. Desta vez, também queria melhor. Queria passar para a segunda fase, trabalhei para isso. Acredito que estava neste nível para poder passar. Estou grata de estar aqui. Chegar aqui não é fácil. Dei o meu melhor".

A fechar, já algo emocionada, a velocista lusa lembrou as dificuldades sentidas para estar neste palco. "São quatro anos, passamos muitas coisas, as pessoas não têm ideia. Não é fácil chegar aqui, é muito trabalho, muita dedicação. Estou grata por estar aqui e me conseguir apurar, queria mais. Os portugueses querem mais, mas já é uma medalha e uma vitória estar aqui", concluiu a atleta claramente emocionada.

Lorène Bazolo volta agora a competir nos 200 metros.

Recomendadas

Subscreva a Newsletter e receba as notícias em primeira mão