Atletas russos impedidos de competir sob bandeira neutra nos Europeus de pista coberta

24FEV 16h12

Os atletas russos não poderão competir sob bandeira neutra nos Europeus de pista coberta, que vão decorrer entre 5 a 7 de março, na Polónia, revelou esta quarta-feira a presidente interina da federação russa, a antiga velocista Irina Privalova.

"Antes disso, o Conselho (da World Athletics) tem de aprovar o plano de reabilitação [do atletismo russo] proposto pela federação e só depois será abordada a concessão do estatuto de neutralidade aos atletas russos", justificou a dirigente.

O organismo que regula o atletismo mundial vai dar prioridade ao programa de reabilitação russo, fora dos palcos internacionais desde 2015, devido ao escândalo de doping patrocinado pelo Estado, e só depois, a partir de meados de março, analisará a situação em torno dos atletas neutros.

"Por isso, os atletas russos não vão participar. Gostaríamos que os nossos atletas competissem na Polónia e agradeço a todos. Espero que, senão agora, no verão os vejamos todos no cenário internacional", acrescentou Privalova.

Esta decisão deixa de fora dos Europeus de pista coberta a tricampeã mundial de salto em altura, Maria Lasitskene, a campeã mundial de salto com vara, Anzhelika Sidorova, e o vice-campeão dos 110 metros barreiras, Serguei Shubenkov.

Privalova assumiu recentemente a presidência da federação, depois do novo titular, Piotr Ivanov, ter sido suspenso por dois anos pela Agência Mundial Antidoping (AMA).

Em dezembro de 2020, o Tribunal Arbitral do Desporto (TAD) confirmou a decisão da Agência Mundial Antidopagem, que tinha decidido que muitos dados relativos a amostras de sangue tinham sido manipulados.

A sanção era de quatro anos de fora de eventos internacionais e aplica-se sobre o nome do país, a bandeira e o hino, mas a decisão do TAD reduziu de quatro para dois anos o período das sanções, além de afrouxar os requisitos para a participação de atletas russos nas provas, nas quais deixam de estar abrangidos os Jogos Olímpicos Paris2024.

Comprometida em "ajudar os atletas russos a manterem-se limpos", a agência antidoping da Rússia disse defender os interesses dos desportistas ao não recorrer da decisão, que se aplica até 16 de dezembro de 2022, abrangendo dois Jogos Olímpicos: os de verão Tóquio2020, adiados para 2021, e de inverno Pequim2022, em fevereiro desse ano.

Subscreva a Newsletter e receba as notícias em primeira mão