Meia Maratona de Lisboa

Duelo olímpico à beira Tejo

 

A edição de 2017 da EDP Meia Maratona de Lisboa, fazendo jus à distinção de ser  Gold Label (o mais alto nível de organização), da Federação Internacional, e Cinco Estrelas, da Associação Europeia, apresenta uma das suas melhores listas de participação de sempre, especialmete no sector feminino, com duas campeãs olímpicas e uma campeã mundial em título, como expoentes de Dez (10) corredoras que já subiram aos pódios de Jogos Olímpicos, Campeonatos Mundiais e Campeonatos Europeus! 

Cumprindo a sua promessa, a campeã olímpica de maratona, Jemima Jelagat SUMGONG prepara-se para regressar a Lisboa e competir, pela segunda vez (foi segunda em 2014) nesta marcante prova de primavera. A atleta queniana é uma das melhores atletas de sempre na distância (recorde pessoal: 66.58) - uma das sete corredoras da lista que têm marcas abaixo de uma hora e oito minutos -, terá pela frente a sua compatriota Vivian CHERUIYOT (rp: 67.54), campeã olímpica de 5.000 m e vice-campeã olímpica de 10.000 m, e um duelo muito especial, que apenas Lisboa testemunha na distância, com a campeã mundial de maratona, a etíope Mare DIBABA (rp: 67.54).

Pela excelência da organização, estas três atletas escolheram Lisboa como palco especial tendo em vista que se defrontarão de novo este ano, um mês depois, mas na distância de maratona, em Londres, e isso deixa esta Edp Meia Maratona de Lisboa, nas objectivas da comunicação social mundial.

Mas, como dissemos, outras grandes atletas estarão presentes na prova, entre elas a vencedora do ano passado, a etíope Genet YALEW (rp: 66.26), que conhece bem o percurso e a vencedora da Lisboa Rock’n’Roll Meia Maratona de 2016, a também etíope Ruti AGA (rp: 68.07). 

Outras atletas abaixo de 68 minutos na meia maratona são Mary WACERA, do Quénia (rp: 66.29), vice-campeã mundial de meia maratona em 2014; e as etíopes Netsanet GUDETA KEBEDE, da Etiópia (rp:67.31), medalha de bronze no mundial de corta-mato de 2015, e Ababel YESHANEH (rp: 67.52), quarta na Lisboa Rock’n’Roll Meia Maratona de 2014. Depois mais duas atletas nos 68 minutos: Eunice Chebichi CHUMBA, do Bahrain (rp: 68.04), quarta na EDP Meia Maratona de Lisboa no ano passado; e a etíope Afera GODFAY BERHA (rp: 68.32).

Entre as portuguesas, destaque para a campeã europeia de 10.000 m de 2014 (e vice-campeã no ano passado) Ana Dulce FÉLIX (rp: 68.32), que fez o seu recorde pessoal precisamente nesta prova lisboeta, e para a campeã nacional de estrada em 2017, Jessica AUGUSTO (rp: 69.08), medalha de bronze na meia maratona dos europeus de 2016.

 

A estrela dos Estados Unidos

 

A lista de elite masculina também é poderosa. Dois anos depois da presença do britânico Mo Farah chega a vez de mais uma das estrelas do famoso “Oregon Project”, liderado pelo antigo maratonista Alberto Salazar, nem mais nem menos que o recordista dos Estados Unidos, Galen RUPP. Rupp, nascido e criado no estado de Oregon, cedo mostrou ser um prodígio no campo da corrida evidenciando-se desde os tempos de liceu. Sob as indicações de Alberto Salazar bateu recordes de vários escalões etários e, actualmente, é o recordista norte-americano de 3000 metros em pista coberta e 10.000 metros ao ar livre, com uma marca abaixo dos 27 minutos (26.44,36). Atingiu um momento alto nos Jogos Olímpicos de 2012 ao sagrar-se vice-campeão de 10.000 m (e foi 7º na final de 5.000 m), am ambas as provas viu o seu colega de treino ser campeão, e quatro anos depois, no Rio de Janeiro, volta asubir ao pódio (medalha de bronze), mas em maratona (e ainda foi 5º na final de 10.000 m!). Tem um recorde pessoal de 60.30 à meia maratona e foi aconselhado por Farah a correr em Lisboa.

Rupp tem pela frente valorosos atletas, com marcas abaixo da uma hora, nomeadamente o eritreu Nguse AMLOSON (recorde pessoal de 59.39), que foi o vencedor da edição do ano passado da Lisboa Rock’n’Roll Meia Maratona, além de ter sido quinto no mundial de meia maratona em 2014; e os quenianos James WANGARI MWANGI (rp: 59.07), que venceu três meias maratonas em 2016, e Simon CHEPROT (rp: 59.20). Depois mais uns quantos corredores na casa da uma hora, como os quenianos Emmanuel Kiprono KIPSANG (rp: 60.14), 4º nesta prova no ano passado, Edwin Kibet KOECH (rp: 60.47), 8º na maratona de Seoul 2016, e Daniel ROTICH (rp:60.59), 2º na meia de Hamburgo em 2014; o eritreu Yohanes GHEBREGERGISH (rp: 60.21), vencedor da maratona de Asmara no ano passado; e ainda Cuthbert NYASANGO, do Zimbabue (rp: 60.26), sétimo na maratona dos Jogos Olímpicos de 2012.

Destacamos ainda um grande nome do atletismo francês, Bouabdellah TAHRI, finalista olímpico, medalha de bronze em mundiais e vice-campeão europeu em 3000 m obstáculos, aventurando-se agora na distância, tendo vencido a meia maratona de Villefranche-Sur-Saone (63.38).

 

Subscreva a Newsletter e receba as notícias em primeira mão